Bom dia! Hoje é sábado, 08/08/2020.
 
CUT Nacional
CUT RS
CNM/CUT
FTMRS
Gross & Klein


Empresas alegam incertezas no país e deixam de investir R$ 240 bilhões
05/01/2013

Donos do capital alegam incertezas na condução da política econômica e intervencionismo excessivo do governo

Apesar de estarem supercapitalizadas, as empresas brasileiras estão longe de atenderem os apelos da presidente Dilma Rousseff para ampliar os investimentos produtivos e, dessa forma, ajudar o governo na retomada do crescimento econômico do país.

Pesquisa realizada pela Consultoria Economática mostra que, juntas, as 221 maiores companhias com ações negociadas em bolsa de valores detêm R$ 240 bilhões em caixa, mas relutam em tocar projetos engavetados diante da onda de incerteza que tomou conta do Brasil e do mundo.

Essa montanha de dinheiro é duas vezes maior do que os R$ 105 bilhões contabilizados em 2007, ano anterior ao estouro da bolha imobiliária nos Estados Unidos, que provocou uma crise ainda longe de ser superada.

Entre os donos do dinheiro, é visível o temor do que eles chamam de “risco governo”. A lista de queixas é enorme, a começar pelo controle da inflação. No entender do empresariado, a despeito das repetidas garantias do presidente do Banco Central, Alexandre Tombini, de que o compromisso com o sistema de metas inflacionárias está mantido, há um incômodo generalizado com o fato de o Índice de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) estar há três anos muito distante dos 4,5% definidos como objetivo a ser perseguido pelo BC.

O sentimento é de que impera no governo o pensamento de que um pouquinho mais de inflação ajudará a economia a ganhar fôlego — postura que já se mostrou equivocada em muitas ocasiões e custou caro ao setor produtivo.

Por: Vera Batista, do Correio Braziliense

 
   
Rua Alberto Schmidtt nº 208 - Centro - Sapiranga/RS - Fone: 3599-1225 - e-mail: stmetal@gmail.com
Copyright © Sindicato dos Metalúrgicos de Sapiranga :::
Expediente