Boa tarde! Hoje é sábado, 15/08/2020.
 
CUT Nacional
CUT RS
CNM/CUT
FTMRS
Gross & Klein


Perda salarial dos gaúchos é muito maior
06/05/2016

O IBGE divulgou o INPC de abril (0,64%). Assim, nossa categoria acumulou perda salarial acumulada no ano em 9,83%. Essa perda salarial obviamente considera os indicadores nacionais do aumento de custo de vida dos brasileiros.
Aqui no RS, não existe apenas uma sensação de que as perdas são maiores. Elas são, de fato, maiores. Isso o/a trabalhador/a gaúcho/a - especialmente os servidores públicos que recebem salários pingados - sente no bolso na hora em que vai pagar compras, gasolina, conta de luz, impostos, entre outros gastos.
O/a cidadão/ã gaúcho/a não lembra que nestes primeiros 16 meses de (des)governo estadual, o governador Sartori paralisou o RS, promoveu ações de desmonte do Estado e mandou elevar os impostos (ICMS) de inúmeros produtos básicos, mesmo tendo prometido que não o faria caso fosse eleito.
Entre estes produtos estão os combustíveis (gasolina e etanol), a energia elétrica residencial, comercial e industrial, a comunicação (TV por assinatura e telefonias móvel e fixa), as bebidas (refrigerantes, cervejas etc) e outros produtos como roupas, cosméticos, perfumarias, cigarros. A maioria dos produtos tiveram uma elevação de 7,10% no preço, como é o caso dos combustíveis, energia elétrica e telefonia.
Embora façam discursos contra o aumento de impostos e tenham promovido protestos contra a tentativa do governo federal de recriar a CPMF, cobrando míseros 0,2% sobre todas as movimentações financeiras de pessoas e empresas, os patrões gaúchos nada falaram quando Sartori elevou o ICMS da gasolina, energia elétrica, telefonia etc. A eles, em contrapartida, havia a promessa de sucatear o piso regional, o que foi cumprido por Sartori no início do ano, quando reajustou este salário mínimo gaúcho com índice inferior à inflação.
Agora, na mesa de negociações da nossa campanha salarial, certamente os patrões não vão querer nem ouvir ou pautar essa inflação extra nos debates.
O/a trabalhador/a gaúcho/a vai continuar pagando muito mais o pato.

Por: Assessoria de Comunicação

 
   
Rua Alberto Schmidtt nº 208 - Centro - Sapiranga/RS - Fone: 3599-1225 - e-mail: stmetal@gmail.com
Copyright © Sindicato dos Metalúrgicos de Sapiranga :::
Expediente