Bom dia! Hoje é quarta-feira, 21/10/2020.
 
CUT Nacional
CUT RS
CNM/CUT
FTMRS
Gross & Klein


CUT e centrais lançam no Senado convocação para a 4ª Marcha dos Trabalhadores
07/11/2007

Com um ato político no auditório Petrônio Portela, no Senado Federal, CUT, Força, CGTB, NCST e UGT lançaram oficialmente na manhã desta quarta-feira (7) a 4ª Marcha Nacional da Classe Trabalhadora, que será realizada no próximo dia 5 de dezembro em Brasília. Redução da jornada de trabalho, mais e melhores empregos e fortalecimento da seguridade social e das políticas públicas são as bandeiras unitárias da mobilização deste ano, que ampliará a disputa sobre o papel do Estado, defendendo uma “política de valorização dos serviços e dos servidores públicos”.

A exemplo das três primeiras marchas, quando as centrais priorizaram uma política permanente de valorização do salário mínimo, e garantiram o maior reajuste dos últimos 20 anos, Artur acredita na vitória da redução da jornada de trabalho sem redução de salário. A partir da mobilização da base, dos Sindicatos, defende, “a Marcha fará um diálogo com a sociedade sobre os aumentos de produtividade e fará com que os ganhos do capital não só sejam repartidos com os trabalhadores, com reflexos diretos na melhoria das suas condições de vida, saúde e lazer, como também ampliem a renda e a geração de novos postos de trabalho”.

Artur enfatizou que a Marcha sublinhará ainda a necessidade da ratificação da Convenção 151 da OIT, que estabelece o direito de organização e de negociação no trabalho no setor público, e da Convenção 158, que barra as demissões imotivadas, o combate às terceirizações e à precarização das relações de trabalho, a luta por melhores empregos, contra o trabalho escravo e infantil, como elementos fundamentais para a valorização do trabalhador.

Quanto ao debate sobre a Previdência, o presidente da CUT ressaltou que “com a unidade das centrais, ganhamos um round importante no Fórum Nacional da Previdência, não permitindo qualquer tentativa de retirada de direitos”. Agora, ”na pauta da nossa IV Marcha, a defesa da Seguridade Social ganha destaque, resgatando o conceito aprovado na Constituição de 88, que é o de Previdência, Assistência Social e Saúde. É um conceito que foi sendo dilapidado e chamuscado pelos governos neoliberais”.

Para Artur, a mobilização do dia 5 de dezembro será a melhor resposta que o movimento sindical pode dar à direita, que busca asfixiar suas fontes de custeio e tolher sua autonomia, como querem as emendas aprovadas pela Câmara, em contraposição ao acordo firmado com o governo para o reconhecimento das centrais. O acordo precisa ser respeitado, frisou Artur, resgatando os seus quatro pontos: “1. O reconhecimento das centrais; 2. que enquanto existir o Imposto Sindical, parte dele, os 10% da conta do Ministério do Trabalho, sejam destinados às centrais; 3. que os Sindicatos de base indicarão qual a Federação, Confederação e Central que receberá sua contribuição e 4. o compromisso das centrais de criarem novas formas de financiamento da estrutura sindical no prazo de 90 dias”.

O presidente da Força Sindical e deputado federal Paulo Pereira da Silva disse que a Marcha da Classe Trabalhadora representa hoje a esperança de milhões de brasileiros, que viram que a ação unificada das centrais deu resultado nos anos anteriores, abrindo caminho para novos avanços. “Faremos uma grande mobilização novamente neste final de ano, fazendo com que possamos falar e ser recebidos por quem decide”, declarou.

Na avaliação do presidente da CGTB, Antonio Neto, “é para fazer que este seja o mandato do desenvolvimento, com geração de emprego e distribuição de renda, que as centrais, mais uma vez unidas e organizadas, vão colocar a massa na rua”.

O secretário geral da UGT, Canindé Pegado, enfatizou que “é na unidade de ação que obtemos resultados positivos e garantiremos o sucesso das nossas bandeiras”.

Segundo o presidente da NCST, José Calixto Ramos, “a 4ª Marcha apresenta uma agenda de desenvolvimento para a nação brasileira, que está virando a página de Estado mínimo, recessão e arrocho salarial ditada pelos governos neoliberais”.

Em defesa da Caixa

Logo após o evento, as centrais sindicais também manifestaram seu total apoio ao lançamento da campanha “Mais empregados para a Caixa, mais Caixa para o Brasil”, desenvolvida pela Federação Nacional dos Economiários (Fenae) e pela Confederação Nacional dos Trabalhadores do Ramo Financeiro (Contraf/CUT).

“Nós queremos acelerar as transformações no país, queremos crescimento com distribuição de renda e valorização dos trabalhadores, com mais e melhores empregos e isso tem tudo a ver com o fortalecimento da Caixa Econômica Federal como instituição pública para alavancar o desenvolvimento”, declarou Wagner Freitas, presidente da Contraf e membro da executiva nacional da CUT.

Vagner lembrou que a sociedade brasileira tem a Caixa como referência de instituição capaz de disseminar programas sociais, transferir renda e abrir oportunidades aos que buscam melhorar de vida. “No momento em que iniciativas governamentais dirigidas à população de baixa renda se expandem, a Caixa não pode frustrar as expectativas nela depositadas. Queremos mais empregados para a Caixa, para oferecermos mais Caixa para o Brasil”, destacou.

Conforme José Carlos Alonso, presidente da Fenae, há necessidade da contratação de mais trabalhadores para que a Caixa restabeleça as condições essenciais ao desempenho de suas funções, “pois enquanto o volume de serviços prestados ao governo e à sociedade registra crescimento vigoroso nos últimos anos, em função do incremento de políticas públicas e da expansão do crédito, o contingente de trabalhadores é inferior ao de cinco anos atrás”. “A Caixa é o grande pilar das políticas públicas e vem ampliando bastante suas atividades. Com mais empregados, a Caixa servirá melhor ao Brasil e aos brasileiros”, concluiu.

Por: Leonardo Severo - CUT

 
   
Rua Alberto Schmidtt nº 208 - Centro - Sapiranga/RS - Fone: 3599-1225 - e-mail: stmetal@gmail.com
Copyright © Sindicato dos Metalúrgicos de Sapiranga :::
Expediente