Bom dia! Hoje é sábado, 08/08/2020.
 
CUT Nacional
CUT RS
CNM/CUT
FTMRS
Gross & Klein


Seminário revela que menos de 5% das doenças causadas pelo trabalho são reconhecidas
29/04/2008

Conforme a Organização Pan-Americana de Saúde (OPAS) Apenas 1 a 4% dos casos de doenças ocupacionais causadas pelo trabalho são de fato reconhecidas como conseqüência da profissão. Esses e outros problemas foram debatidos no dia (28) durante o Seminário "Saúde, Trabalho e Previdência", realizado pelo Fórum Sindical de Saúde do Trabalhador (FSST). O encontro, realizado no auditório do Sindicato dos Metalúrgicos de Porto Alegre (STIMEPA), marcou o Dia Internacional em Memória das Vítimas de Acidente e Doenças do Trabalho.

A atividade contou com a presença do Presidente da instituição, Claudir Nespolo, do presidente da CUT/RS, Celso Woyciechowski, do Fórum Sindical de Saúde do Trabalhador (FSST), Alfredo Gonçalves, da Federação dos Metalúrgicos do RS, Milton Viário, do Ministério Público do Trabalho, Ricardo Vagner Garcia Silvano, do gerente regional do INSS, Roberto Ruiz, da Secretaria Estadual da Saúde, Francisco Paz, da deputada Federal Maria do Rosário, do deputado Estadual Adão Villaverde e do Senador Paulo Paim.

Em sua fala, o Presidente Claudir Nespolo ressaltou que o Sindicato é sensível as questões que afetam o trabalhador. "Hoje é dia de cobrar duramente uma solução para os acidentes e as doenças ocupacionais. Esse ritmo de trabalho imprimido nas empresas tem seqüelado milhões", afirmou. O presidente ainda criticou a postura dos peritos do INSS que não fazem laudo corretamente, desafiando-os a dizer de que lado estão na luta de classes. "Esses médicos servem a quem? Aos trabalhadores ou aos interesses do poder econômico?", perguntou Claudir.

O Presidente da CUT/RS também foi taxativo sobre o descaso da Previdência Social. Criticou as denúncias de abuso durante as perícias e culpou o descaso dos empresários pelo alto índice de acidentes de trabalho. "Queremos que esses absurdos acabem, por isso desejamos que essa data (28 de abril) não fique apenas em nossas memórias, mas principalmente nas consciências dos governantes e dos patrões". Segundo o Centro Estadual de Vigilância em Saúde, 503.890 acidentes ocorreram em 2006.

MOÇÃO

Durante a manhã, os participantes do Seminário aprovaram uma importante moção de denúncia, defesa e apoio. O documento denuncia a forma como são realizadas as perícias médicas no INSS, que prejudica o trabalhador e exime as empresas da responsabilidade pelas doenças ocupacionais e expressa total apoio ao Senador Paulo Paim, autor dos projetos do fim do fator previdenciário e de correção dos benefícios pelo mesmo índice do salário mínimo, temas defendidos incondicionalmente pelos Metalúrgicos. O documento será lido por Paim essa semana na tribuna do Senado Federal.

REBELDIA EM NOME DA CLASSE OPERÁRIA

O Senador Paulo Paim foi um dos responsáveis por um dos momentos mais marcantes do encontro. Num gesto que ele mesmo classificou como "um ato simbólico de rebeldia contra as atuais regras de aposentadoria e reajuste dos benefícios", Paim tirou a camisa social em plena tribuna, para, em seguida, vestir a camiseta preta em memória ao 28 de abril que recebera na chegada. "Esse é um preto de luto, de protesto contra as empresas que não seguem as normas de proteção e é sinal de luta por nossos direitos de aposentadoria digna", destacou.

Paim fez duras críticas ao sistema previdenciário em vigor e comentou os projetos de Lei 042 e 296 (de sua autoria), que acaba com o fator previdenciário e o outro assegura aos aposentados e pensionistas os mesmos reajustes e política de valorização dada ao salário mínimo. "Não podemos admitir que um trabalhador contribua sobre dez salários e só possa se aposentar com seis. Do mesmo modo o índice de reajuste dos benefícios deve passar a acompanhar a inflação e o resultado anual do PIB", defendeu.

O Senador convocou uma pressão nacional para que a Câmara dos Deputados aprove os projetos de lei 042 e 296. "A primeira vitória já foi conquistada no Senado Federal, agora é a vez de irmos para as ruas lutar pelo fim dessas injustiças, conclamou.

Por: Sindimetal Porto Alegre

 
   
Rua Alberto Schmidtt nº 208 - Centro - Sapiranga/RS - Fone: 3599-1225 - e-mail: stmetal@gmail.com
Copyright © Sindicato dos Metalúrgicos de Sapiranga :::
Expediente