Bom dia! Hoje é quarta-feira, 21/10/2020.
 
CUT Nacional
CUT RS
CNM/CUT
FTMRS
Gross & Klein


Cesta Básica de Porto Alegre tem alta de 3,67% em maio de 2009
04/06/2009

Em maio de 2009, após quatro meses consecutivos de queda, a Cesta Básica de Porto Alegre volta a subir de preço passando para R$ 243,43. A taxa verificada em igual mês de 2008 foi de 4,32%. Nos primeiros cinco meses do ano, a queda é de 4,48%. Em doze meses a cesta está 2,90% mais cara.

Dos treze produtos que compõem o conjunto de gêneros essenciais previstos para Porto Alegre, seis tiveram alta em maio, com destaque para o tomate (38,19%), a batata (23,12%) e o leite (18,90%). Sete produtos registraram queda. Os principais recuos ocorreram no feijão (-9,23%), na banana (-3,53%), na farinha (-3,15%) e no açúcar (-2,65%).
A variação no período do real ficou em 265,24%.
O valor da cesta básica representou 56,90% do salário mínimo líquido, contra 54,89% em abril e 61,96% em maio de 2008.

O trabalhador com rendimento equivalente a um salário mínimo necessitou, em maio cumprir uma jornada de 115h e 10 min para adquirir os bens alimentícios básicos. Esta jornada é superior à necessária em abril (111h e 06min.) e inferior à exigida em maio de 2008 (125h 25 min).

Em relação a maio de 2008, apenas quatro produtos tiveram redução de preço: o óleo (-27,85%), a farinha (-23,76%), o tomate (-22,10%) e o feijão (-18,02%). O aumento mais significativo foi apurado para a batata (44,94%), seguido do açúcar (37,38%) e leite (32,78%).

Maioria das capitais tem alta no preço da cesta básica

Os preços dos produtos alimentícios essenciais voltaram a ter predominantemente aumento em maio, com alta em 15 das 17 capitais onde o DIEESE - Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos - realiza mensalmente a Pesquisa Nacional da Cesta Básica. As elevações mais expressivas foram registradas em Recife (8,57%), Natal (4,90%), Salvador (3,90%), Porto Alegre (3,67%) e Aracaju (3,08%). As duas retrações ocorreram no Rio de Janeiro (-0,71%) e Fortaleza (-0,51%).

Porto Alegre continuou a registrar o maior valor para a cesta básica: R$ 243,43, sendo seguida por São Paulo (R$ 227,36) e por Vitória (R$ 225,45%). Apesar da alta, Aracaju se manteve como a cidade onde os gêneros essenciais têm menor custo, com R$ 168,80. Fortaleza (R$185,33) e João Pessoa (R$ 189,00) vieram a seguir.

Com base no maior valor apurado para a cesta e levando em consideração a determinação constitucional que estabelece que o salário mínimo deveria suprir as despesas de um trabalhador e sua família com alimentação, moradia, saúde, educação, vestuário, higiene, transporte, lazer e previdência, o DIEESE estima mensalmente quanto deveria valer o salário mínimo necessário. Em maio, o valor do mínimo necessário voltou a subir, correspondendo a R$ 2.045,06, ou seja, 4,40 vezes o piso em vigor, de R$ 465,00. Em abril, o menor salário do país deveria ser de R$ 1.972,64 (4,24 vezes o mínimo vigente), enquanto em maio de 2008, o valor necessário era R$ 1.987,51 (4,79 vezes o piso de então, de R$ 415,00).

Variações acumuladas

Entre janeiro e maio, 13 localidades registraram variação acumulada negativa para o custo da cesta básica. As maiores quedas ocorreram em Aracaju (-12,67%), Florianópolis
(-10,40%), Curitiba (-7,87%) e Rio de Janeiro (-7,83%). Os aumentos foram apurados em Recife (4,46%), Salvador (2,89%), Goiânia (1,55%) e Belém (0,93%).

Nos últimos 12 meses, entre junho de 2008 e maio último, dez das 16 capitais nas quais a pesquisa já era então realizada apresentaram variação acumulada negativa e dentre aquelas onde houve alta, apenas em Salvador (12,83%) o aumento supera o reajuste de 12,05% concedido ao salário mínimo em fevereiro último. Goiânia também registra alta expressiva no período, de 11,12%. As outras quatro cidades onde o preço da cesta subiu tiveram variação inferior a 3,0%. As maiores retrações, em 12 meses, foram apuradas em Aracaju (-7,96%), Belo Horizonte (-6,27%), Fortaleza (-5,82%) e Florianópolis (-5,41%).

Cesta x salário mínimo

O tempo de trabalho que o trabalhador que recebe salário mínimo teve que realizar para adquirir os bens que compõem a cesta básica subiu, na média das 17 capitais, em maio, chegando a 98 horas e 35 minutos, contra 96 horas e 42 minutos exigidas em abril. Há um ano, a jornada comprometida era maior e correspondia a 111 horas e 08 minutos.

Também quando se considera a relação entre o percentual do salário mínimo líquido - após o desconto equivalente à Previdência Social – comprometido com a mesma aquisição, verifica-se um comportamento semelhante. Em maio, a compra dos bens básicos exigia 48,71% do rendimento, enquanto em abril eram necessários 47,78% do mínimo líquido. Há um ano, na média das 16 localidades pesquisadas (Manaus ainda não estava incluída no levantamento), o comprometimento era de 54,91% dos ganhos líquidos do trabalhador.

Comportamento dos preços

A maioria dos produtos da cesta básica nacional teve redução de preço na maioria das capitais. O feijão e o arroz baratearam em 16 cidades.

O feijão caiu mais em Vitória (-13,45%), Aracaju (-12,70%), Florianópolis (-11,07) e Rio de Janeiro (-10,35%). Em Salvador houve uma elevação de 0,74%. No período anual, o feijão apresentou forte queda, como em Fortaleza (-50,22%), Belém (-48,83%), São Paulo (-48,66%) e Aracaju (-47,00%). A menor queda ocorreu em Brasília (-13,40%).

No ano, o feijão barateou em todas as 16 capitais. A forte alta no ano passado foi causada pela menor produção e menor oferta. Já em 2009 houve excelente colheita e grande oferta, reduzindo substancialmente o preço do produto.

O arroz aumentou seu preço apenas em uma capital, Porto Alegre (1,08%). Em todas as demais cidades houve queda, as maiores encontradas em Florianópolis (-5,26%) e Salvador (-4,76%). Nos últimos 12 meses, seis regiões tiveram barateamento do preço, sendo que as maiores reduções foram apuradas em Belém (-14,53%), Goiânia (-13,30%) e Vitória (-8,29%). Aracaju (16,22%), Recife (11,95%) e Salvador (9,92%) foram as capitais com aumentos mais significativos. Em Fortaleza os preços permaneceram estáveis. A dificuldade do escoamento da safra para o consumo tem provocado a queda de preço. Em algumas regiões atingidas por inundações (Norte e Nordeste) e seca (Sul) podem haver elevações nos preços destes produtos.

O pão barateou em 12 cidades, como no Rio de Janeiro (-5,51%) e Natal (-2,18%). Em Salvador não foi constatada alteração de preços e Aracaju (3,25%) e Manaus (2,01%) tiveram as maiores altas.

Nos últimos 12 meses foram observados tanto aumentos como quedas nos preços em oito capitais. As reduções mais expressivas foram em Fortaleza (-14,34%), Belo Horizonte (-10,60%) e Curitiba (-6,34%). As altas de preços foram verificadas em Goiânia (13,32%), Vitória (4,69%) e Porto Alegre (3,19%).

Houve aumento nas importações de trigo nos últimos meses, entretanto a Argentina está reduzindo a quantidade exportada do trigo em grão, o que poderá causar impacto no preço de seus derivados, principalmente no pão.

O café e o açúcar apresentaram igualmente redução em 10 capitais e elevação em outras sete. O preço do café caiu mais em Vitória (-2,81%) e Goiânia (-2,34%) e aumentou com maior intensidade em Salvador (3,08%), Florianópolis (1,63%) e Recife (1,43%). Em abril, as altas haviam ocorrido em dez capitais.

Na comparação com maio de 2008 (16 capitais), o café está mais caro hoje em dez regiões, especialmente em Goiânia (21,36%), Porto Alegre (11,07%) e Florianópolis (7,15%). As reduções mais significativas foram observadas nas três maiores capitais do Sudeste: São Paulo (-11,68%), Rio de Janeiro (-6,31%) e Belo Horizonte (-6,27%).

Já o açúcar teve a oferta aumentada desde abril, quando teve início o corte da cana, especialmente em São Paulo. As principais quedas de preços foram observadas no Rio de Janeiro (-4,82%), Belo Horizonte (-3,82%) e Goiânia (-3,68%). Em Brasília (12,50%), Recife (9,09%) e João Pessoa (7,69%) o aumento foi expressivo.

Nos últimos doze meses o açúcar está mais caro em 15 capitais, com altas extraordinárias em Goiânia (77,03%), Belém (54,62%) e Fortaleza (52,00%); enquanto Vitória (4,65%) e Recife (9,92%) apresentaram as menores altas; e em Belo Horizonte (-8,70%), houve um barateamento.
Alguns produtos encareceram em maior número de capitais. A carne subiu em 11 cidades, como em Vitória (5,41%), Recife (4,27%) e Florianópolis (3,36%). Nas demais capitais a alta foi inferior a 1%. As quedas no preço da carne foram pequenas. Apenas em Natal (-1,40%) a taxa ultrapassou a variação negativa de -1%.

No período de um ano, em 14 regiões houve aumentos significativos no preço da carne. João Pessoa (21,36%), Goiânia (16,90%), Recife (15,69%) e Rio de Janeiro (15,04%) apresentaram os maiores crescimentos de preços. As duas reduções de preços foram observadas em Aracaju (-2,37%) e Florianópolis (-1,30%).

Até o surgimento da crise financeira, o país exportava bastante carne, com preços competitivos e mais baratos internamente. Mas após a crise econômica mundial, os financiamentos e os créditos foram drasticamente reduzidos e muitos países diminuíram as importações. Com o início do inverno, quando as pastagens enfrentam seca, há possibilidade de aumento no preço do produto.

O leite aumentou em 13 cidades, como em Porto Alegre (18,90%), Vitória (14,42%), Belo Horizonte (12,77%), Curitiba (11,33%) e Rio de Janeiro (10,47%). As reduções ocorreram em três capitais, Fortaleza (-2,83%), Natal (-2,20%) e Aracaju (-0,63%). Na capital federal, o preço do leite não se alterou.
Comparado a maio do ano passado, o preço do leite aumentou em 15 cidades, com queda apenas em Brasília (-12,31%). Altas expressivas foram observadas em Recife (48,05%), Vitória (47,76%) e Porto Alegre (32,78%). As alterações efetuadas nos últimos doze meses, com a coleta também do leite longa vida (dada a escassez do leite tipo C), explicam em parte a elevação no preço do leite, mas tem havido forte pressão dos criadores de gado leiteiro para aumentos no preço do produto, o que também causou impacto.

O preço do tomate subiu em dez cidades, em sete delas acima de 12%. Os maiores aumentos foram em Natal (53,89%) e Recife (53,80%). Dentre as sete cidades onde houve redução estão Goiânia (-10,57%) e Brasília (-10,55%).
Contudo, o tomate agora está mais barato que em igual mês do ano passado em 15 capitais. As quedas mais significativas ocorreram em Vitória (-42,40%), Florianópolis (-37,35%), Rio de Janeiro (-34,06%) e Curitiba (-30,80%). Em movimento oposto aparece apenas Salvador, com alta de 37,82%, cidade bastante afetada por fortes chuvas. O clima sempre influi no preço do tomate, seja no cultivo ou no escoamento, para os consumidores.

Por: Dieese

 
   
Rua Alberto Schmidtt nº 208 - Centro - Sapiranga/RS - Fone: 3599-1225 - e-mail: stmetal@gmail.com
Copyright © Sindicato dos Metalúrgicos de Sapiranga :::
Expediente