Bom dia! Hoje é quinta-feira, 22/10/2020.
 
CUT Nacional
CUT RS
CNM/CUT
FTMRS
Gross & Klein


Programa de Formação dos Metalúrgicos debate desenvolvimento do Brasil e do RS
28/06/2010

Promovido pela Federação dos Metalúrgicos da CUT-RS, cerca de 60 dirigentes sindicais participaram do evento, que teve a presença de Claudir Nespolo, presidente da Confederação Nacional dos Metalúrgicos da CUT e Quintino Severo, secretário-geral da CUT


Aconteceu no nos dias 24 e 25 de junho, o debate sobre os desafios do desenvolvimento do Brasil e do RS, como atividade do Programa de Formação promovido pela Federação dos Metalúrgicos da CUT do RS. Cerca de 60 dirigentes sindicais participaram do evento, que contou com a presença de Tarso Genro e Beto Grill, respectivamente candidados a governador e vice do RS, Claudir Nespolo, presidente da Confederação Nacional dos Metalúrgicos da CUT e Quintino Severo, secretário-geral da CUT.

No painel sobre as propostas da CUT para o desenvolvimento, Claudir Nespolo enfatizou que é preciso entender com profundidade as mudanças que estão ocorrendo no Brasil. "Se os dirigentes sindicais não compreenderem a conjuntura atual e não tiverem a capacidade de se posicionar com uma visão clara de futuro corremos o risco de ficarmos olhando o Brasil pelo retrovisor, e isso significa que perderemos a oportunidade de sermos atores relevantes na mudança do país", declarou.

Nespolo salientou que não se pode esquecer que as políticas de recuperação do salário mínimo, a luta pela manutenção e ampliação dos empregos, a exigência de diminuição das taxas de juros, o combate às privatizações e defesa de um estado indutor do desenvolvimento econômico e social, a cobrança de políticas sociais para diminuir os índices de exclusão social, a ampliação e facilitação de crédito para aumentar o consumo popular e incentivar as pequenas e médias indústrias e a agricultura familiar, são políticas que os trabalhadores defendem nas ruas. "O que ocorre hoje no Brasil foi fruto da nossa luta", afirmou.

O presidente da CNM/CUT defende essa ótica para que seja avaliado o governo Lula. Segundo ele, há também o desafio de pensar o futuro. As eleições de 2010 são decisivas para a continuidade destas políticas em âmbito nacional. É neste ambiente de crescimento econômico e de mudanças na estrutura econômica do país que se deve repensar o sindicalismo.

O secretário-geral da CUT, Quintino Severo, participou no segundo dia do evento abordando o processo de construção da plataforma da CUT para o desenvolvimento do Brasil. "Quero que vocês entendam que esse debate não é restrito as eleições, são propostas que devemos lutar para que elas sejam implementadas, são propostas para o futuro do nosso país. Essas eleições são definidoras dos rumos, são tão importantes quando elegemos o Lula. Não se iludam, a disputa será pesadíssima, a derrota das políticas neoliberais não está dada, as forças do atraso, da privatização, da diminuição do papel do estado estão ativas e irão fazer de tudo para barrar esse projeto em curso no país. Queremos que o Brasil cresça com valorização do trabalho, com inclusão social e democracia mas com sustentabilidade ambiental. Nós não podemos repetir os equívocos das experiências de desenvolvimento existentes no mundo que acabam prejudicando a natureza. O nosso modelo de desenvolvimento deve agregar a sustentabilidade", afirmou.

Por último, o sindicalista destacou a democratização dos meios de comunicação. Para ele é preciso haver propostas para aumentar o controle público, colocar os meios de comunicação sintonizados com a tarefa de investir na informação com profundidade, com o aperfeiçoamento cultural, com linguagens que incentivem uma cultura de paz e entretenimento sadio. "O conteúdo televisivo no Brasil é um mar de lixo, são canais que investem no rebaixamento, além de se transformar em porta voz de interesses dos setores dominantes", disse Quintino.

Para o coordenador do programa de formação, João Marcelo dos Santos, o objetivo desse módulo foi preparar os dirigentes metalúrgicos para participarem dos grandes debates que estão em curso no Brasil. Em que pese a força do corporativismo, o movimento sindical em diversos momentos da história brasileira se colocou na posição de propor projetos para o país. O sindicalismo sempre se rebelou contra a visão que lhe atribui uma tarefa menor no cenário da política brasileira. Ou seja, ao se posicionar sobre temas estratégicos a CUT se coloca no cerne do debate político nacional.

Plataforma da CUT para as Eleições de 2010

A Plataforma da CUT para as eleições de 2010 é um documento publicado pela central em maio deste ano, com o objetivo de ser um instrumento para a consolidação das parcerias no movimento sindical e social, enraizamento das propostas e intervenção efetiva nas eleições de 2010. É uma ferramenta de mobilização.

Este material representa um manifesto de que não serão permitidos retrocessos aos avanços conquistados e que o foco da luta é pela construção de um novo modelo de desenvolvimento que possua como eixo o trabalho e a participação popular. A plataforma está focada em três diretrizes que dialogam entre si: Valorização do trabalho; igualdade, distribuição de renda e inclusão social; e estado democrático com caráter público e participação ativa da sociedade.

Por: Federação dos Metalúrgicos da CUT-RS

 
   
Rua Alberto Schmidtt nº 208 - Centro - Sapiranga/RS - Fone: 3599-1225 - e-mail: stmetal@gmail.com
Copyright © Sindicato dos Metalúrgicos de Sapiranga :::
Expediente