Boa tarde! Hoje é terça-feira, 20/10/2020.
 
CUT Nacional
CUT RS
CNM/CUT
FTMRS
Gross & Klein


92% dos médicos sofrem interferência de planos de saúde em sua atuação profissional
01/12/2010

Pesquisa do Datafolha revelou que 92% dos médicos no país já sofreram interferências na sua autonomia profissional por parte de planos de saúde. Isso, segundo a Associação Médica Brasileira (AMB) e a Associação Paulista de Medicina (APM), prejudica o atendimento e tratamento de pacientes, pois os médicos são pressionados a não pedirem exames ou não recomendarem internações e procedimentos sob ameaça de não serem pagos ou serem descredenciados.

Entre os tipos de interferências dos planos, os 2.184 médicos ouvidos em todo país pelo Datafolha apontaram principalmente o não pagamento por procedimentos e medidas terapêuticas, a chamada "glosa" (78%), e a restrição no número de exames realizados (75%). Setenta por cento dos médicos disseram que as operadoras fazem restrições relacionadas a doenças pré-existentes, 55% relataram problemas envolvendo o tempo de internação e 49% reclamaram da ação dos planos sobre a prescrição de remédios de alto custo.

O presidente da Associação Médica Brasileira, José Luiz Gomes Amaral, disse que há médicos que acabam cedendo às pressões dos planos para diminuir custos com pacientes.

- É impossível que alguns não cedam, porque há ameaças de descredenciamento dos planos, por exemplo. O objetivo dessa pesquisa e de tornar isso público é atenuar essa pressão que os médicos sofrem - disse.

Segundo o levantamento, encomendado pela AMB e pela APM, o plano que mais interfere na prática profissional dos médicos é a Cassi.

Os médicos ouvidos na pesquisa atribuíram, em média, nota 5 para as operadoras de saúde, numa escala que vai de zero a dez.

A Associação Médica Brasileira (AMB) e a Associação Paulista de Medicina (APM) cobram que a Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS) regulamente a relação entre os planos de saúde e médicos e prestadores de serviço.

- Não há dúvida que a saúde suplementar (dos planos de saúde) deveria complementar a saúde pública. Mas os dados confirmam que não está se cumprindo o papel que deveria - disse Jorge Curi, presidente da APM.

Por: Globo On Line / Datafolha

 
   
Rua Alberto Schmidtt nº 208 - Centro - Sapiranga/RS - Fone: 3599-1225 - e-mail: stmetal@gmail.com
Copyright © Sindicato dos Metalúrgicos de Sapiranga :::
Expediente